Bem-vindo(a) à Linha Diabetes. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Diabetes.

Envie a sua questão
As respostas às suas dúvidas atendem a diversos critérios. Neste serviço, não serão consideradas válidas questões com falta de enquadramento ou situações de emergência que só possam ter encaminhamento imediato.

E-mail: linhadiabetes@sapo.pt
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

Novos Medicamentos

POLIPOS no colon e medica...

Qual seria hoje o melhor ...

Medicamentos: efeitos sec...

Temas

alimentação

alimentacao

avc

brasil

calorias

cancro

colesterol

complicaçoes

complicações

coração

crianças

criancas

dia mundial da diabetes

diabetes

diabetes gestacional

diagnóstico

dieta

eclampsia

exercicio

exercício

glicemia

gravidez

gripe a

hipertensão arterial

hipoglicemias

idosos

insulina

laser

medicamentos

mr b

obesidade

osteoporose

perder peso

prediabetes

preeclampsia

prevenção

risco

risco cardiovascular

terapeutica

tratamento

todas as tags


Terça-feira, 2 de Abril de 2013
Novos Medicamentos

O instituto americano do medicamento (FDA) aprovou em 2013 a comercialização de um novo fármaco: a alogliptina.

 

Este fármaco será comercializado de forma isolada e associado à metformina e à proglitazona.

 

A alogliptina integra o grupo farmacológico dos "Inibidores da DPP 4"; deste grupo existem em Portugal, a sitagliptina, a vildagliptina e a saxagliptina; a linagliptina aguarda aprovação ( e comparticipação !).

 

A sitagliptina, a vildagliptina e a linaglitina são comercializados isoladamente e em associação à metformina.

 

A alogliptina será o primeiro a associar-se (num mesmo comprimido) à pioglitazona.

 

O grupo dos "inibidores da DPP 4" é geralmente (muito) bem tolerado e o seu aparecimento representou um forte incremento no controlo dos diabéticos tipo 2.



publicado por João Vilela Gonçalves às 18:10
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 11 de Julho de 2011
POLIPOS no colon e medicamentos para a Diabetes

Foi apresentado, pela Associação Americana dos Endocrinologistas Clínicos, um estudo com cerca de 130.000 diabéticos tipo 2 submetidos a colonoscopia.

 

O exame revelou que os doentes medicados com METFORMINA e glitazonas (PIOGLITAZONA) apresentavam menos pólipos que os doentes medicados com outras substâncias.

 

provavelmente trata-se de um achado, já que não são conhecidas razões explicativas para o sucedido.

 

Contudo existem diversos estudos que suspeitam das propriedades anti-cancerosas da METFORMINA.

 

Em Portugal, no primeiro semestre de 2011, a metformina encontra-se comercializada com os seguintes nomes comerciais:

 

Metformina, Stagid, Glucophage, Risidon, Glucovance, Competact, Glubrava, Eucreas, Zomarist, Icandra, Janumet, Efficib, Velmetia.



publicado por João Vilela Gonçalves às 00:58
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 26 de Dezembro de 2010
Qual seria hoje o melhor medicamento para a Diabetes ?

Esta foi a questão colocada por um leitor deste blog.

 

E a resposta é:

 

1) o que baixar a glicemia do doente

 

2) o que seja tolerado pelo doente

 

3) o que melhore a insulinoresistência (diabéticos tipo 2)

 

4) a insulina ! (nos diabéticos tipo 1)

 

5) o que não interfira com a função renal (caso o doente seja insuficiente renal)

 

 

Assim temos:

 

1º Alimentação fraccionada com grande restrição de açúcares, gordura e sal

 

1º Exercício físico moderado e regular (por exemplo: andar 6 km em 1 hora)

 

3º Fármacos (Medicamentos): a serem avaliados de acordo com cada doente.



publicado por João Vilela Gonçalves às 09:07
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 13 de Junho de 2008
Medicamentos: efeitos secundários e contra-indicações

A doença é tão velha quanto a existência do Homem. Antigamente, para curar os males, procurava-se o curandeiro ou o bruxo. Estes, por entre rezas e mesinhas, utilizavam algumas plantas, com reconhecido efeito embora deficitário, para socorrerem os pacientes. A Ciência ultrapassou este conhecimento secular pouco (ou nada) fundamentado. A Ciência e o Conhecimento permitiram (permitem !) inventar substâncias cujo mecanismo de acção interfere no nosso organismo, fintando a "deficiência" que provoca a doença. Os mais antigos recordam-se, certamente, no que resultou a descoberta da Penicilina ou da Insulina: milhares de vidas resgatadas à morte iminente. Mas, como diz o povo, não há bela sem senão. O medicamento é constituído pela substância activa (fármaco) e outras substãncias em quantidades muito inferiores (as substâncias excipientes). Quer umas quer outras são substâncias químicas, estranhas ao organismo...MAS QUE O VÃO PROTEGER DE UMA AGRESSÃO (que provoca a maleita ou a doença) E O SALVAM. Assim é natural que alguns organismos reajam a essas mesmas substâncias, sendo natural que o façam de maneira diferente. Quantos de vós tomam o mesmo medicamento do vizinho e podem, eventualmente, reagir de maneira diferente? Como querem que o vosso médico saiba como vão reagir a um medicamento que nunca tomaram? (O que o vosso médico sabe é que perante aquela doença, aquela situação, aquele medicamento mostrou ser proveitoso.) Os "papelinhos" que acompanham cada medicamento dizem-nos para que serve, em que dose deve ser tomado, as precauções a ter, etc. Os medicamentos, antes de serem postos à venda, foram testados em milhares de pessoas. Todos os efeitos (por exemplo: dores de cabeça, comichão, queda de cabelo, insónias) referidos por essas pessoas e eventualmente associados ao medicamento, são contabilizados e referidos nesses "papelinhos" pelo laboratório que comercializa o dito medicamento. Estes são os ditos efeitos secundários. Quem se preocupa com uma comichão na orelha ou com uma esporádica diarreia de um medicamento que nos normaliza a tensão arterial ou nos baixa os valores de açúcar no sangue, se esse medicamento evita que tenhamos um enfarte do coração ou uma trombose cerebral (AVC)? Contudo há efeitos secundários muito limitativos  e que nos impedem de continuar a tomar o medicamento. Nesta situação devemos recorrer ao nosso médico para que seja ele a encontrar o substituto. Outra situação, descrita nos "papelinhos" que acompanham os medicamentos são as contra-indicações que muitos confundem com os efeitos secundários. As contra-indicações são situações conhecidas nas quais o medicamento em questão (mais propriamente a substância principal do medicamento) tem o seu uso proibido ou administrado com muita precaução quando existe determinada (outra) situação. Por exemplo, um diabético com insuficiência renal moderada a grave NÃO pode tomar a substância metformina porque, nessa situação, essa substância vai fazer mais mal que bem, ou seja é pior a emenda que o soneto.

Nunca percebi porque alguns doentes têm uma preocupação em sublinhar alguns efeitos secundários e não outros...porque uns percebem o que quer dizer e outros não? Muitos vezes, esses efeitos aconteceram numa pessoa em 1 milhão (ou mais) que também tomaram aquele medicamento.

Por último, deixo-vos um conselho: antes de lerem os efeitos secundários referidos nos "papelinhos", leiam as INDICAÇÕES do medicamento. Pesem os prós e os contras. Mas se defacto alguma coisa vos perturba ou incomóda desde que iniciaram a toma de medicamento NÃO HESITEM em contactar o vosso médico. É que não há bela sem senão...

Boa Saúde. João Vilela Gonçalves 

 

 



publicado por João Vilela Gonçalves às 22:38
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

João Vilela Gonçalves
Consultor de Medicina Interna, pós-graduado em Diabetologia, tem a competência de Gestão de Unidades de Saúde. Trabalhou em serviços de Cardiologia, Nefrologia e Clínica de Hemodiálise, Consulta especializada do Pé diabético e em Unidades de Cuidados Intensivos. Desempenhou funções de Chefe de Equipa de Medicina do Serviço de Urgência do Hospital de Santa Maria. Foi Assistente Convidado da Cadeira de Patologia Clínica da Faculdade de Ciências Médicas.

Responsável pelas Consultas do Hospital de Pulido Valente (Diabetes, 1994-2004), da PT-Associação de Cuidados de Saúde (Diabetes, desde 1997; Hipertensão Arterial, desde 2006), da Corclínica (Diabetes, desde 1999) e do Instituto Cardiovascular de Lisboa (Diabetes, desde 2004).

Tem o seu trabalho acreditado, do ponto de vista científico, através das inúmeras apresentações em Congressos nacionais e internacionais.
Arquivos

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Links
blogs SAPO
Subscrever feeds