Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linha Diabetes

Linha Diabetes

Medicamentos: efeitos secundários e contra-indicações

13.06.08, João Vilela Gonçalves

A doença é tão velha quanto a existência do Homem. Antigamente, para curar os males, procurava-se o curandeiro ou o bruxo. Estes, por entre rezas e mesinhas, utilizavam algumas plantas, com reconhecido efeito embora deficitário, para socorrerem os pacientes. A Ciência ultrapassou este conhecimento secular pouco (ou nada) fundamentado. A Ciência e o Conhecimento permitiram (permitem !) inventar substâncias cujo mecanismo de acção interfere no nosso organismo, fintando a "deficiência" que provoca a doença. Os mais antigos recordam-se, certamente, no que resultou a descoberta da Penicilina ou da Insulina: milhares de vidas resgatadas à morte iminente. Mas, como diz o povo, não há bela sem senão. O medicamento é constituído pela substância activa (fármaco) e outras substãncias em quantidades muito inferiores (as substâncias excipientes). Quer umas quer outras são substâncias químicas, estranhas ao organismo...MAS QUE O VÃO PROTEGER DE UMA AGRESSÃO (que provoca a maleita ou a doença) E O SALVAM. Assim é natural que alguns organismos reajam a essas mesmas substâncias, sendo natural que o façam de maneira diferente. Quantos de vós tomam o mesmo medicamento do vizinho e podem, eventualmente, reagir de maneira diferente? Como querem que o vosso médico saiba como vão reagir a um medicamento que nunca tomaram? (O que o vosso médico sabe é que perante aquela doença, aquela situação, aquele medicamento mostrou ser proveitoso.) Os "papelinhos" que acompanham cada medicamento dizem-nos para que serve, em que dose deve ser tomado, as precauções a ter, etc. Os medicamentos, antes de serem postos à venda, foram testados em milhares de pessoas. Todos os efeitos (por exemplo: dores de cabeça, comichão, queda de cabelo, insónias) referidos por essas pessoas e eventualmente associados ao medicamento, são contabilizados e referidos nesses "papelinhos" pelo laboratório que comercializa o dito medicamento. Estes são os ditos efeitos secundários. Quem se preocupa com uma comichão na orelha ou com uma esporádica diarreia de um medicamento que nos normaliza a tensão arterial ou nos baixa os valores de açúcar no sangue, se esse medicamento evita que tenhamos um enfarte do coração ou uma trombose cerebral (AVC)? Contudo há efeitos secundários muito limitativos  e que nos impedem de continuar a tomar o medicamento. Nesta situação devemos recorrer ao nosso médico para que seja ele a encontrar o substituto. Outra situação, descrita nos "papelinhos" que acompanham os medicamentos são as contra-indicações que muitos confundem com os efeitos secundários. As contra-indicações são situações conhecidas nas quais o medicamento em questão (mais propriamente a substância principal do medicamento) tem o seu uso proibido ou administrado com muita precaução quando existe determinada (outra) situação. Por exemplo, um diabético com insuficiência renal moderada a grave NÃO pode tomar a substância metformina porque, nessa situação, essa substância vai fazer mais mal que bem, ou seja é pior a emenda que o soneto.

Nunca percebi porque alguns doentes têm uma preocupação em sublinhar alguns efeitos secundários e não outros...porque uns percebem o que quer dizer e outros não? Muitos vezes, esses efeitos aconteceram numa pessoa em 1 milhão (ou mais) que também tomaram aquele medicamento.

Por último, deixo-vos um conselho: antes de lerem os efeitos secundários referidos nos "papelinhos", leiam as INDICAÇÕES do medicamento. Pesem os prós e os contras. Mas se defacto alguma coisa vos perturba ou incomóda desde que iniciaram a toma de medicamento NÃO HESITEM em contactar o vosso médico. É que não há bela sem senão...

Boa Saúde. João Vilela Gonçalves 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.