Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linha Diabetes

Linha Diabetes

MEDIR A TENSAO ARTERIAL NO MÉDICO NÃO CHEGA

09.12.08, João Vilela Gonçalves

A Sociedade Europeia de Hipertensão editou este ano as Normas de Orientação Clínica da Medição da Tensão Arterial (TA) no domicílio. Tal é a importância clínica deste acto.

 

A medição da TA quando se vai ao médico tem importantes limitações:

 

1) Uma única medição não traduz a realidade da TA que o doente tem durante o dia. Essa medição fica circunscrita aquele momento, não traduzindo, de modo algum, o que se passa no dia-a-dia nem tão pouco durante a noite;

 

2) Não exclui a existência de hipertensão arterial da "bata branca" nem a hipertensão arterial "mascarada".

 

A medição da TA no consultório é complementar da medição regular que o doente faz nos outros dias.

 

Para avaliar o risco cardiovascular, é mais credível a TA medida no dia-a-dia que a medida no consultório. A TA sistólica (a máxima) tem maior correlação com a mortalidade cardiovascular (AVC, enfarte do miocárdio) que a TA diastólica (mínima).

 

 

Medir a TA regularmente no domicílio tem diversas vantagens:

 

1) a medição regular de dias, semanas ou meses permite ter uma ideia mais real do que costuma ser a TA de uma pessoa.

 

2) a medição regular da TA em alturas diferentes do dia permite avaliar o efeito da medicação prescrita.

 

3) é relativamente barata e de bom prognóstico em termos de futuras potenciais complicações.

 

4) envolve o doente no seu tratamento e controlo.

 

5) melhora a aderência do doente à medicação (e evita que suspenda a terapêutica porque a TA está controlada).

 

 

Pequenas descidas da TA traduzem-se em muito menores probabilidades de ter complicações. Por exemplo, na medição da TA no domicílio, uma descida de 2 mm Hg na TA máxima equivale a menos 20% de incidência de AVC.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.